A “Guerra pela Eternidade”, de B. Teitelbaum: O Tradicionalismo Político Ocidental como contenção do Anticristo – uma visão Tradicionalista do livro de Benjamim Taítelbaum.


Colhido no revista russa tradicionalista Geopolítica . Uma revista claramente influenciada pelo pensamento de Alexandr Dugin



Aos nossos leitores : trazemos aqui este artigo colhido na Revista Geopolítica no intuito de atualizarmos nossos conhecimentos sobre o debate teórico e político que se trava em torno dos caminhos a serem seguidos com a debacle do mundo construído pelo pensamento liberal moderno . Com a ascensão do fascismo em todo mundo , isto se torna crucial . Não é possível construir-se uma teoria libertária sem o conhecimento dos fundamentos das inúmeras tentativas de saída do mundo capitalista que agoniza , e certamente o Tradicionalismo defendido pela Revista , que se materializa nas ações políticas da “ Nova Direita” é uma delas .

Artigo de Alexander Kiselev

Análise do livro War for Eternity, de Benjamin Teitelbaum, que se baseou em detalhes biográficos, em uma série de entrevistas e encontros informais com Bannon, Aleksandr Dugin, Olavo de Carvalho, John Morgan, Jason Jorjani e outras figuras relevantes.

“ O diabo pode citar as escrituras quando isso lhe convém” – William Shakespeare

Durante 2016, um acontecimento inesperado ocorreu no epicentro da civilização liberal ocidental – foi um acontecimento que sem dúvida se tornou parte de uma virada radical na história mundial – pois foi bastante desconcertante que chegaram ao poder dos Estados Unidos (um país que foi fundada sobre princípios liberais que sustentam as sociedades modernas) uma força essencialmente oposta aos profundos fundamentos ontológicos que fazem parte das elites dominantes. O nome dessa força política é tradicionalismo, uma doutrina nascida durante o século XX a partir da reflexão de pensadores metafísicos ultrapassionais como René Guénon e Julius Evola.

Essa doutrina filosófica, religiosa e sociológica conseguiu, paradoxalmente, revelar a própria essência da tradição primordial e sua metalinguagem em uma época em que a percepção sensível da divindade pela humanidade havia sido banida pela racionalidade materialista durante séculos. Isso é o que nos interessa no livro War for Eternity, de Benjamin Teitelbaum.

B. Teitelbaum é um etnógrafo e analista político americano que se propõe a descrever e introduzir na discussão acadêmica contemporânea o fenômeno do pensamento tradicionalista como prática política. Seu livro se baseia em toda uma série de entrevistas e encontros informais, muitos detalhes biográficos, uma análise aberta da atividade política e dos bastidores das personalidades mais importantes que foram identificadas pelo próprio autor e que segundo ele estão ligadas à escola tradicionalista. Eles incluem S. Bannon, Aleksandr Dugin, O. de Carvalho, John Morgan, Jason Jorjani e outras personagens relevantes. A abordagem que Teitelbaum faz ao estudo desse fenômeno político por meio da antropologia (ou seja, não estudando a ideologia em si, mas a personalidade de seus principais representantes) é muito incomum neste tipo de obras.

O autor também alerta que o objeto ao qual aplica sua abordagem etnológica (que é seu campo de formação) é bastante atípico na realização de pesquisas, especialmente porque as ferramentas desta disciplina são normalmente aplicadas às camadas marginais das sociedades, comunidades modernas ou arcaicas que não estão em contato com eles.

No entanto, o tradicionalismo é a ideologia por excelência da “rebelião contra o mundo moderno” e seus representantes pertencem antes de tudo à periferia da sociedade. A vitória do paleoconservador Donald Trump nas eleições presidenciais dos Estados Unidos permitiu que os tradicionalistas penetrassem de forma inédita na sociedade, portanto, de agora em diante, é impossível continuar ignorando essa doutrina no espectro político. Ficou claro que Trump não é um representante do tradicionalismo, mas sim uma figura simbólica por trás da qual um intelectual como Steve Bannon, que é estudado por Teitelbaum, impulsionou.

Bannon é uma personalidade única no âmbito dos Estados Unidos. O livro de Teitelbaum descreve detalhadamente sua formação, especialmente durante sua juventude, quando surge a questão de encontrar apoio espiritual fora da realidade imanente, o que o leva a conhecer pela primeira vez os ensinamentos esotéricos de vários autores, em particular os do místico G. Gurdjieff e os de H. Blavatsky, a fundadora da Teosofia. Mais tarde, Bannon estudou o tradicionalismo integral de Guénon e Evola.

Graças a suas incríveis habilidades analíticas, Bannon cresceu profissionalmente em uma corporação financeira e se tornou o fundador de seu próprio banco de investimento. No entanto, o fato de ele ter mergulhado nas formas mais agressivas e puramente materialistas do capitalismo não destruiu sua espiritualidade em nada. Ao contrário, Bannon manteve e acentuou essa dimensão interna que faz parte do protesto do tradicionalismo contra a Modernidade. Bannon se dedica a usar suas conexões e os recursos que obtém para minar o status quo do establishment liberal na Europa Ocidental por meio da agência de notícias Breitbart ou das redes sociais estudadas por Cambridge Analytica, que graças à sua participação ativa se tornaram ferramentas poderosas que servem para implementar a metapolítica conservadora de direita. Entre seus grandes triunfos estão Brexit e a vitória de Donald Trump.

Em muitas das conversas de Teitelbaum com Bannon, a visão particular de tradicionalismo que este último sustenta é revelada e que em muitos aspectos é diametralmente oposta às ideias sustentadas por essa doutrina. Ao contrário de Guénon, que define estritamente o Oriente como o polo da espiritualidade contra o Ocidente como o polo do materialismo, Bannon interpreta a civilização judaico-cristã ocidental como o Katechon que impede o triunfo do globalismo liberal e da China, já que ambas as forças tentam impor uma ditadura do materialismo sobre o resto da humanidade. O Islã também é visto por Bannon como uma ameaça global. A cosmovisão de Bannon tem como um dos imperativos proteger a civilização ocidental da invasão do Islã (esta questão não é tratada no livro de Teitelbaum, mas é encontrada nas entrevistas que Bannon deu sobre isso [1]).

Outro herói do livro, o quase tradicionalista e político brasileiro O. de Carvalho, que mora nos Estados Unidos e tem certa influência nas elites políticas de seu país chefiadas pelo presidente J. Bolsonaro, também adere a essa visão de mundo.

No entanto, Carvalho não só ataca a China e o Islã, mas também considera que a Rússia moderna faz parte do globalismo e é dominada pelo materialismo e militarismo soviético que são absolutamente hostis à Tradição [2].

A visão de Steve Bannon sobre a Rússia é diferente. Segundo ele, a Rússia é uma civilização que faz parte da tradição judaico-cristã do Ocidente. Portanto, como todos os representantes do tradicionalismo ocidental (e da filosofia da Europa Ocidental em geral), Bannon não leva em consideração as diferenças fundamentais que existem entre o Cristianismo Católico e o Cristianismo Ortodoxo. Bannon acredita que sua principal tarefa política é persuadir a Rússia, por ser parte do Ocidente, de que todos devem lutar juntos contra a ameaça global representada pela China.

Do ponto de vista de Bannon, uma das condições mais importantes para que ocorra um retorno à espiritualidade vertical na sociedade americana é a promoção de uma política que vise garantir a prosperidade (principalmente econômica: salários decentes e proteção contra imigrantes ilegais) das classes trabalhadoras que são oprimidos pelas elites liberais. De acordo com Bannon, os americanos comuns são os verdadeiros portadores da tradição judaico-cristã.

Em uma das conversas reproduzidas no livro, Teitelbaum expõe as diferenças entre o ideólogo do tradicionalismo russo Alexander Dugin e Bannon, que naquela época havia começado a colaborar com o dissidente chinês Guo Wengui. Bannon tentou convencer o filósofo russo de que a Rússia e os Estados Unidos deveriam se unir sob o legado da civilização judaico-cristã (que segundo Bannon é o elo entre a Rússia e o Ocidente) contra a China como “baluarte de valores materialistas”. No entanto, Dugin tem uma visão fundamentalmente diferente do Ocidente e da China das posições de seu homólogo americano. Portanto, o “pacto entre tradicionalistas” proposto por Bannon não se concretizou.

Apesar de tudo, os interesses de Dugin e Bannon no espaço político europeu eram muito semelhantes e consistiam em apoiar as forças conservadoras e populistas de direita que se opõem à ditadura liberal de esquerda em Bruxelas, que tenta destruir os Estados-Nação e acabar por dissolver todos os povos da UE.

Fenomenologia do tradicionalismo como sujeito

René Guénon descobriu a eternidade como o campo ontológico único de todas as tradições do mundo, uma vez que todas concebem a eternidade como uma sincronicidade onipresente. Do ponto de vista da estrutura trifuncional das sociedades indo- europeias, que é o sistema hierárquico por excelência do tradicionalismo (sacerdotes / guerreiros / camponeses), Guénon faz parte da primeira casta e seu objetivo maior é o da teoria (do grego Θεωρία, contemplação).

A práxis política faz parte da atividade heroica e é a encarnação na vida dos homens de ideias filosóficas: esta é a missão arquetípica da metafísica militar própria da tradição hindu e da segunda casta: os Kshatriyas. O Barão Julius Evola pode ser considerado o Kshatriya por excelência. Sem dúvida, sua contribuição teórica é muito importante, mas todo o pensamento de Evola gira em torno da política e suas ideias teúrgicas visam refletir sobre a fenomenologia do tradicionalismo como sujeito político global.

Evola viu no fascismo a encarnação de uma vontade que queria reviver o princípio militar e solar masculino, que significava uma tentativa de retorno a uma realidade sagrada, vertical e patriarcal- apolínea que se opunha ao hedonismo e ao materialismo que tudo destruía. Um dos sinais que demonstraram a derrota da entropia produzida pelo tempo em favor de um retorno da eternidade foi o fato de que o fascismo abandonou os valores da terceira casta de mercadores burgueses e clamou pelo renascimento dos ideais heróicos.

No entanto, a aceitação das mentiras promovidas pelo darwinismo social sobre a superioridade racial da nação alemã e a seleção antropológica anulou os componentes antiliberais que existiam dentro da Terceira Teoria Política. O fascismo histórico acabou sendo apenas uma paródia modernista do espírito guerreiro e isso acabou afundando as esperanças de Evola de reconstruir os princípios da eternidade sob sua bandeira. O progresso continuou seu curso.

O comunismo também falhou em limitar a devassidão da civilização marítima e capitalista. O marxismo concebeu muito corretamente o trabalho como um princípio luminoso, mas essa interpretação foi unilateralmente abafada por um materialismo muito reducionista que impôs a luta de classes e o progresso como o único horizonte. No entanto, essas experiências fracassadas que confrontaram o liberalismo, tanto da direita quanto da esquerda, revelam algumas das chaves que uma ideologia deve seguir para lutar contra o capitalismo. Compreender essas linhas ideológicas pode nos dar a oportunidade de nos vingarmos do liberalismo.

O tradicionalismo é a antítese do mundo moderno, mas acima de tudo é um ataque ao progresso concebido como tempo linear e unidirecional: essa ideia adquiriu um significado político com o Iluminismo. O tradicionalismo abre a possibilidade de um “retorno eterno” a uma sociedade pré-moderna. A modernidade e o liberalismo (como teoria política) começam a mudar a percepção da consciência humana até que ela aceite o progresso como dados verdadeiros de eventos históricos. No entanto, o liberalismo, que nasceu como uma doutrina política dos Novos Tempos, não é considerado simplesmente uma continuação da história ad hoc: antes de tudo, tenta reinterpretar todas as etapas anteriores do desenvolvimento existencial como um caminho predeterminado que descobre o próprio cerne da individualidade humana, removendo para sempre todas as diferentes camadas que a ocultaram ao longo do tempo (isso inclui todas as formas de conexão eidética e, em primeiro lugar, a Tradição).

Deve-se notar que a visão tradicionalista de que a humanidade gradualmente se separa de um princípio holístico primordial nada mais é do que uma inversão negativa das ideias de progresso, mas entendida como regressão. O pensamento tradicionalista considera um imperativo absoluto a necessidade de restaurar a divindade sagrada por meio de um retorno ao Uno eterno. Mesmo assim, é paradoxal que o liberalismo sustente como um de seus fundamentos (se seguirmos o pensamento de seus representantes mais radicais que, a nosso ver, são os defensores de uma consciência doentia e infinitamente perversa) que a libertação do indivíduo não tem tanto a ver com o assassinato de Deus quanto com uma descoberta radical dele (!). Se seguirmos essa lógica, a verdadeira oposição entre liberalismo e tradicionalismo não é tanto a oposição entre Deus e a ausência de Deus, mas a luta entre dois deuses diferentes que são simetricamente diferentes (Deus contra o anti-Deus).

O liberalismo moderno como deísmo. Descartes vs. Guénon.

A filosofia de René Descartes marca o ponto de inflexão que separa a Pré-modernidade – com sua visão de mundo teísta que percebe Deus como uma presença viva que existe dentro do homem – da Modernidade. Em seus primórdios, a Modernidade não negou Deus, mas o reduziu a uma dimensão conceitual deísta. Descartes vê Deus como o princípio da razão suficiente que sustenta a existência do cogito: um sujeito pensante, uma constante transcendental tecnicamente necessária que fundamenta o domínio imanente do homo sapiens sobre um mundo privado do uso da razão.

De acordo com Descartes, o homem se torna aquele que governa este mundo, mas não como representante de Deus na terra, mas como um “rei da natureza autossuficiente” que assumiu um trono que hipoteticamente pertencera a Deus, mas agora Deus o abandonou dele. O Deus de Descartes nada mais é do que uma representação sem brilho que pertence ao passado. A partir de agora, a realidade ficará sujeita apenas aos desígnios dos representantes do cogito. Esta ideia é a que justifica o progresso como a maior bênção que o tempo nos concede, visto que a res cogens “divina” se torna cada vez mais forte à medida que de forma racionalista se submete à res extensa e, portanto, este processo linear assume a forma de um movimento gradual do imperfeito ao mais perfeito.

O cartesianismo é a base doutrinária do liberalismo, mas no contexto político da Modernidade o pensamento de Descartes não é propriedade exclusiva da Primeira Teoria Política. O cartesianismo também influenciou as coordenadas dos sistemas políticos e doutrinas que criaram o comunismo e o fascismo. A essência do liberalismo “influencia” igualmente todas as ideologias políticas que surgiram da Modernidade.

Após a destruição do fascismo e a queda do comunismo, o liberalismo deixa de ser “apenas uma daquelas ideologias” e se torna a única realidade global, revelando-se como o verdadeiro “senhor” do progresso e podendo reivindicar para si o controle exclusivo da herança da Modernidade.

A libertação de todas as formas de identidade coletiva atinge seu último estágio messiânico quando descobre que o indivíduo, o “verdadeiro deus” que ele sempre esperou encontrar, finalmente aparecerá uma vez que se atinja a libertação final de toda dependência que o indivíduo tenha da espécie como entidade coletiva. O pós-liberalismo, que substituiu a Modernidade, está completamente obcecado em criar um regime mundial teocrático “único” com seu próprio cenário de “salvação”, enquanto ataca com todos os meios disponíveis os “infiéis” que o opõem.

A estrada para a eternidade. A revolução escatológica. O significado do tempo.

Onde está a eternidade? É possível voltar a ela? No livro B. Teitelbaum fala de uma espécie de “assassinato do tempo”, que é considerada pelo autor como o caminho que indica o triunfo da eternidade sobre todo o resto. Mas como é possível fazer algo semelhante?

Ao longo da história da humanidade, as tendências conservadoras sempre tentaram desesperadamente retardar o progresso. Eles conseguem atrasar ou desacelerar, mas nunca pensaram em revertê-lo. O tradicionalismo político, que é uma negação absoluta da Modernidade, obviamente não pode fazer a história refazer seus passos e fluir na direção oposta, mas ao mesmo tempo quer pavimentar o caminho para a eternidade por meio de algum tipo de compromisso com o liberalismo (caso contrário simplesmente repetiria o destino do comunismo e o fascismo).

Em uma das conversas transcritas no livro de Teitelbaum, Bannon declara discordar do dogma teológico cristão de que a vinda de Cristo abre caminho para o retorno eterno segundo as ideias dos ciclos tradicionalistas. Em vez disso, essa doutrina dá origem a uma concepção de tempo linear e a um confronto escatológico final. É aqui que se torna evidente uma diferença importante que nos permite compreender o significado final do projeto tradicionalista ocidental.

A eternidade de Bannon e Carvalho não tem nada a ver com a eternidade da Segunda Vinda de Cristo, um reino onde há um Novo Céu e uma Nova Terra. O Cristianismo é privado de sua dimensão mais importante – escatológica – e, portanto, sua trajetória ontológica torna-se nada mais do que uma aposta no passado (daí o imperativo do Judaico-Cristianismo como Logos se esforçando para retornar às suas fontes). Isso não pode ser considerado um “assassinato do tempo”, mas sim uma tentativa intencional de restauração e forçosamente uma órbita do tempo, isso é considerado pela tradição primordial como a nostalgia que desperta a força original de um Logos moribundo. De acordo com Platão, o tempo é “semelhante à eternidade, mas em movimento” e todas as suas formas, tudo que surge e desaparece, o passado e o futuro, são os três êxtases do tempo que “imitam a eternidade e correm em círculos de acordo com [as leis dos] números” (Tim. 38a) … Além disso, o tempo nasceu simultaneamente com o “céu” e ambos desaparecerão, pois “o arquétipo é ser para toda a eternidade, enquanto que a imagem foi, é e será continuamente e para todo o sempre deveniente.” (Tim. 38c)

O tempo não é para a tradição a eternidade como tal, mas uma revolução orbital que gira em torno de um centro. Este ciclo de “eterno retorno” foi quebrado pelo pensamento progressista que apareceu na Europa Ocidental. É simbólico que Guénon, representante da mesma civilização ocidental europeia, faça um trabalho de crítica aos elementos que nos conduziram ao estado catastrófico em que nos encontramos, com isso dando o primeiro e, sem dúvida, o mais importante passo a fim de superar esse processo de destruição. No entanto, o tradicionalismo ocidental carece de um elemento importante, uma vez que é incapaz de incluir a ortodoxia russa e sua compreensão escatológica do futuro em seu campo de reflexão. Tanto Bannon quanto Carvalho se concentram exclusivamente no Ocidente, negando completamente o Oriente, seja na figura da China, em sua oposição ao Islã, até em seu projeto de salvar o progresso da civilização judaico-cristã, em que o Cristianismo acaba se tornando um “elemento étnico” que não tem uma missão a cumprir.

Os perigos do tradicionalismo ocidental

O liberalismo de esquerda que chegou ao poder nos Estados Unidos e é representado pelo Partido Democrata não demorou a manifestar sua essência totalitária de forma inédita (impôs a “cultura do cancelamento”, forte censura e ostracismo total em redes sociais, além de querer implementar agressivamente todas as perversões e patologias como uma espécie de “novo normal”, etc.) … No entanto, é óbvio que os liberais de esquerda que trabalham para Biden não têm fundamento real e nada mais são do que uma tela que funciona para outras forças diferentes.

É curioso que vários elementos da agenda conservadora tradicionalista tenham repentinamente começado a aparecer na retórica dos liberais de direita (na verdade, são elementos que violam os princípios do conservadorismo), especialmente em relação ao apelo para o ressurgimento da “velha Europa”, afirmações em que as ideias de Bannon são facilmente reconhecidas. Só podemos adivinhar em que se baseia a própria subjetividade do liberalismo, vendo que ele está dividido em duas alas: uma de direita e outra de esquerda, nenhuma das quais é autossuficiente, mas surge de uma base liberal comum.

A restauração da eternidade e da unidade primordial com que os tradicionalistas ocidentais sonham tem todas as chances de se tornar uma “união” sincrética e artificial de todas as tradições (como o projeto sinistro que visa construir um “centro para a fé” ou “uma casa para o Uno”[4] na Alemanha) ou assumir a forma de um simulacro tecnológico (eternizar a consciência em um servidor conectado à nuvem e estender a vida do corpo por uma “eternidade” imanente que substitui todos os seus órgãos por cópias artificiais).

Ao propor um retorno à eternidade primordial por meio de uma “luta contra o tempo”, o tradicionalismo ocidental dá um passo em direção à mais perigosa aberração metafísica, revelando ao mundo seu ocidentocentrismo novamente, em vez da criação de uma multipolaridade sagrada. Contudo, mesmo que fosse pensado de forma diferente, como uma hipótese que buscasse restaurar todas as tradições originais que não foram distorcidas pela Modernidade, algo que é ontologicamente impossível, não representaria mais do que uma regressão a um dos Estados anteriores e que com o Tempo mais uma vez conduziria ao colapso do mundo moderno e pós-moderno. Então, a ideia de fazer a humanidade cavalgar rio acima em uma corrente que nunca muda de direção faz algum sentido?

É possível encontrar uma maneira de criar uma eternidade que não seja artificial e sem sentido, diferente daquela eternidade em que a consciência pode ser transferida para servidores da nuvem enquanto a vida se prolonga artificialmente por meio da suplantação dos órgãos do corpo?

Parece que o tradicionalismo de estilo ocidental, uma vez separado do totalitarismo global, liberal e democrático, tornou-se igualmente um problema que precisará ser superado.

O caminho para a eternidade não pode acontecer fora do espaço escatológico semântico ou no formato de uma “dobra da história” que será camuflada por um retorno ao passado que visa a prosperidade eudaemônica abstrata de uma única civilização. O vetor da salvação deve ser dirigido para o futuro, para o triunfo sem precedentes da centelha divina que existe no homem.

O tempo não é o inimigo da eternidade, mas seu mensageiro, e a corrida da humanidade em direção ao divino só pode ocorrer por meio da iluminação do significado do tempo e através do tempo [5]. Acreditamos que a mensagem de Guénon só pode ser decifrada corretamente por um princípio interpretativo especial que existe fora da civilização ocidental, que não nos separa do mundo das coisas, mas o absorve em sua totalidade. Essa tentativa de identificar Deus com um quase-Deus ou de chegar a uma conclusão aproximada e infundada, só nos levará a uma contra- iniciação que, como muito bem se insiste, levará ao surgimento do que a tradição cristã chama de Anticristo ou o falso messias.

Benjamin Teitelbaum está apenas concluindo seu valioso e, em muitos aspectos, única investigação sobre o assunto. Em uma das entrevistas após a publicação do livro, o autor compara os fatos e expressa suas dúvidas de que as reflexões metafísicas e filosóficas do pensamento tradicionalista possam se cristalizar em uma doutrina política operativa.

Talvez algo que não pode ser deduzido da simples superposição dos fatos tenha escapado ao olhar indagador do investigador. No entanto, o livro traz uma mensagem importante, a “Guerra pela Eternidade” foi desencadeada e seu cenário e resultado darão a este mundo o último de seus veredictos.

Notas:

[1] Stephen Bannon e Ocidente como Katechon que evita a chegada do Anticristo https://katehon.com/ru/article/stiven- bennon-i-zapad-kak-katehon-uderzhi…

[2] http://debateolavodugin.blogspot.com/2011/03/olavo-de- carvalho-introduct…(em inglês)

[3] A metafísica do liberalismo é apresentada com muitos detalhes por Aleksandr Dugin “Liberalismo. Metafísica, História, Metamorfose, Fim”. https://paideuma.tv/video/liberalizm- metafizika-istorial-metamorfozy-kon… https://paideuma.tv/video/liberalizm-metafizika-istorial- metamorfozy-kon…

[4] Constrói-se em “centro para a fé” em Berlim em que se inclui uma igreja cristã, uma mesquita e uma sinagoga. https://katehon.com/ru/news/v-berline-postroyat-centr-very-v- kotorom-bud…

[5] O tema da metafísica do tempo é descrito muito detalhadamente mo curso de Alexander Dugin “Doxa e Paradoxo do tempo. Metafísica da temporalidade” https://paideuma.tv/course/doksy-i-paradoksy-vremeni- metafizika-temporal…

Fonte: https://www.geopolitica.ru/es

Qual sua opinião ?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s